Acesso à Informação
  Voltar

Celular ao volante: no trânsito a vida vem primeiro!

Publicada em 25/07/2018

Mais do que uma infração de trânsito gravíssima, que resulta em 7 pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e multa de R$ 293,47, o uso do celular ao volante, seja para falar ou para enviar mensagens, já é uma das principais causas de acidentes de trânsito. Basta uma fração de segundo de distração para causar um sério acidente.

Usar o celular enquanto dirige é comparado a estar embriagado ao volante.  Se o motorista se distrair por 5 segundos teclando no celular, numa velocidade de 60km/h, percorrerá 80 metros de forma cega, sem saber o que está fazendo, o quê ou quem está à sua frente. 

Ao contrário do que podem pensar muitos – de que não se deve falar ao celular enquanto dirige para não tirar uma das mãos do volante ou guidão, quando se usa celular, além de ter de segurá-lo com uma das mãos, a visão, audição e atenção estarão ocupadas com a conversa, e não apenas com a condução do veículo.

 

Estudos da Sociedade Brasileira de Neurologia comprovam que o celular altera as ondas cerebrais, desconectando o indivíduo da realidade. É como se ele estivesse em transe, fora de si. O cérebro concentra-se na ação que está sendo feita no aparelho, seja falar ou teclar, e perde a sintonia com o que ocorre ao redor. No trânsito, isso pode ser fatal!

 

E não existe aquela história de que é possível fazer duas coisas ao mesmo tempo: conversar ao telefone e dirigir. Ou ainda, teclar e caminhar. Não é! 75% das pessoas que mexem no celular enquanto dirigem não conseguem perceber pedestres, ciclistas, ou outros acontecimentos ao seu redor.

O prejuízo na concentração e atenção ao trânsito também ocorre quando o condutor utiliza os equipamentos bluetooth ou viva-voz. GPS’s e equipamentos multimídia instalados nos veículos mais modernos também contribuem com a distração e, consequentemente, com os acidentes. A combinação celular e direção reduz em até 37% a aceleração do veículo. Por isso, é comum vermos veículos desacelerando inesperadamente, ou ainda, em ziguezague pela via.

Com a atenção toda na tela do aparelho, o pedestre também corre riscos, desligando-se do que ocorre a sua volta e esquecendo dos perigos da rua, desde um obstáculo à sua frente até ao atravessar a via sem se atentar aos carros.

Não há nada tão urgente quanto a vida de cada um. Quem usa o celular ao volante está expondo a sua vida e a dos outros ao perigo. Portanto, se for dirigir, nunca use ao celular. Sequer o deixe ligado ou na vibração. Prefira o silencioso porque a simples vibração ou o toque podem comprometer sua atenção. Tudo pode esperar para usar o celular de maneira adequada. No trânsito, a vida vem primeiro! Lembre-se: Nós somos o trânsito.